Arquivo da categoria: poesia

É o que temos pra hoje

Os dias têm sido intensos, as semanas duras, os trabalhos árduos. Não só para mim, mas para o Rodrigo e para as pessoas ao meu redor. Cansaço, olheiras, sono atrasado, mais cansaço, mais olheiras… Tudo isso seria belezinha se não estivesse atrelado … Continuar lendo

Publicado em autorais, comida, poesia | 1 Comentário

Duas Drummonianas de “Sentimento do Mundo”

CONGRESSO INTERNACIONAL DO MEDO Provisoriamente não cantaremos o amor, que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos. Cantaremos o medo, que estereliza os abraços, não cantaremos o ódio, porque este não existe, existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro, … Continuar lendo

Publicado em literatura, poesia | Marcado com , , , , | 3 Comentários

Autorais: meus primeiros alexandrinhos

Poesia em alta no Jardim, haha! Tenho usado este espaço à-la T.S. Eliot: esboçando criações literárias para pensar melhor no  fazer literário. Então, brinquei de fazer alexandrinhos. Não é um soneto, claro. É mais uma brincadeira com métrica do que … Continuar lendo

Publicado em autorais, cultura, literatura, poesia | Marcado com , , , | 2 Comentários

É assim que deve ser

Criar uma casa de sonhos Andar sobre uma montanha de chocolates Dormir em almofadas de macarons   Petiscar na beira do riacho uma porção de balas azuis Pisar devagarzinho Comer numa bocada só   Viver sorrindo com os dentes de … Continuar lendo

Publicado em cozinha, cultura, poesia | Marcado com | 2 Comentários

Instinto!

Ela era esquelética e desengonçada. Os ossos lhe saltavam pelos cotovelos, joelhos, quadris, ombros. A timidez não a deixava ser bem relacionada.   Desejava um buraco para viver. Nunca foi bela, as formas de seu rosto eram duras e sobressalentes, … Continuar lendo

Publicado em cozinha, flores, poesia | Marcado com , | 2 Comentários

Manuel Bandeira pra quem fica. Pedra pra quem vai pro rolê.

Veja só como este blog se preocupa com seus quase 4 leitores: Manuel Bandeira e Pedra. Poesia e música da melhor qualidade em pleno domingão…  Amo Manuel Bandeira, loucamente. Como o poeta se foi em 68, raras são as chances … Continuar lendo

Publicado em música, poesia | Marcado com , , , , | 1 Comentário